segunda-feira, 13 de abril de 2015

Adeganha - Igreja Matriz e Santuário da Sr.ª do Castelo

















 
A publicação destas fotografias, vem dar resposta a um dos comentários à postagem Capela na Foz do Sabor : "Sehor Jorge Delfim,Tem fotografias tão lindas da nossa terra e ainda não colocou da Adeganha,minha terra natal.A igreja e a Senhora do Castelo são dois monumentos que nos orgulhamos.Se tem fotografias desses lugares ,o senhor tem de tudo,coloque ,que todos os da Adeganha ficavam muito contentes.
Ant´nio Silva".
Ficam então aqui para os da Adeganha  e todos os outros visitantes do blogue que conhecem e não conhecem a Adeganha, estas duas fotografias: Igreja Matriz (foto da esquerda) ; Santuário da Sr.ª do Castelo (foto da direita).
Poderão ser vistas estas e outras fotografias da freguesia da Adeganha no Blogue "O Cantinho do Jorge - À procura do Nordeste Transmontano" clicando em: Adeganha.

Clique na imagem para aumentar ou abra a imagem numa nova janela para poder ampliá-la ainda mais.
(Clique com o botão direito do rato em cima da imagem que pretende ampliar e depois escolha a opção: "Abrir hiperligação numa nova janela", na mesma surge ainda uma lupa com um + para poder ampliar uma segunda vez)

(Reedição de posts desde o início do blogue)

7 comentários:

  1. Lenda popular.
    Por cima da porta da igreja, numa pedra do granito, estão representadas 3 mulheres. Dizem que são as 3 Marias, as quais eram pastoras. Enquanto as ovelhas pastavam, elas entretinham-se a jogar às cartas. Mas... uma das Marias é que ganhava sempre. Não havia maneira de a fazerem perder. As outras duas andavam intrigadas:
    - Ela seria bruxa? Ou aquilo era obra do céu?
    Nem uma coisa nem outra. Ela ganhava sempre porque jogava com manha.
    Finalmente as outras descobriram que a companheira fazia batota. Ficaram tão despeitadas que logo resolveram queimá-la viva!
    Levaram-na até ao Frei Vivas, lugar bastante longe do povoado, cheio de sobreiros e silveirais e aí acenderam uma grande fogueira. Lançaram-na então para o meio das chamas e, enquanto ela morria queimada, as outras duas Marias, com os dedos em figa, diziam:
    - Arde e ganah! Arde e ganha! Arde e ganha!...
    E daqui nasceu o nome de Adeganha. J. Andrade

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A lenda em questão é muito linda, só que a dita pedra representa o simboço da fertilidade, isto é representa um parto, sendo as imagens laterais as parteiras e a do centro a partoriente.

      Eliminar
  2. Senhores fotógrafos,em especial o senhor Delfim,venha daí a foto das três Marias.Lenda bonita .Será que as outras aldeias têm uma lenda para contar? Se for assim, o senhor Delfim tira a foto e o senhor Andrade conta lenda.Fixe!

    ResponderEliminar
  3. E EM URROS ALGUÉM SE LEMBRA DE LENDAS, PROPRIAS DA ALDEIA, VAMOS LÁ!

    ResponderEliminar
  4. Na Senhora do Castelo existiu um povoado antigo que vinha do tempo dos Celtas. E reza a lenda que um dia, um soldado que vinha das guerras contra a Moirama parou ali, junto à capelinha de S. João para rezar.
    Enquanto rezava, apareceu-lhe a Virgem com um ramo de assucenas brancas.
    O soldado levantou-se, aproximou-se, tirou uma fita amarela que trazia ao pescoço e colocou-a no pescoço de Nossa Senhora.
    Voltou a ajoelhar e ficaram ali a olhar um para o outro,enlevados, sem dar pela passagem do tempo.
    Depois a Senhora voltou para o céu e o soldado como que acordou do enlevo. Olhou a fraga de granito onde a Senhora pousara e reparou que nela ficaram insculpidas a lua e o sol. E as assucenas que a Senhora deixara nunca mais voltaram a murchar, ficando sempre floridas, ao contrário das outras existentes nos arredoras.
    Desta cena ficou a lembrança nos cantares do povo de Adeganha:
    A Senora do Castelo
    Tem uma fita amarela
    Que lha ofereceu um rapaz
    Quando voltava da guerra.
    J. Andrade

    ResponderEliminar
  5. Certo dia, no terreiro da Senhora do castelo,O Diabo, disfarçado de serpente apareceu a um pastor de Adeganha. Este pediu-lhe que o não matasse e em troca lhe traria a mulher. A serpente anuiu, gulosa, pensando comer os dois. Disse-lhe então que lha trouxesse à meia-noite, tapada com um lençol e um lenço atado na cabeça.
    O homem foi para casa e, em vez da mulher, preparou uma burra velha, que tinha na loja e levou-lha. A serpente era enorme e, de noite, parecia muito maior. Atirou-se logo à burra, enrolando-se nela. O homem, quando isto viu, deitou-se a fugir, pelo vale de São João para a Ribeira Vilariça.
    Sentindo-se ludibriada, a serpente espumava de raiva e, em violentas convulsões, praguejava:
    - Maldito pastor!
    Mais tempo não estou aqui
    que as cadeias do inferno
    puxam abaixo por mim.
    E desde esse dia, juram as gentes de Adeganha, nunca mais aquela enorme serpente apareceu nas fragadas da Senhora do Castelo
    J. Andrade

    ResponderEliminar
  6. A fita amarela

    .....
    E a Sra. do Amparo
    tem uma fita amarela
    que lha ofereceu o brasileiro
    ao sair da capela.
    .....

    Rezava assim um versinho bem antigo dum cântico entoado à N.Sra. do Amparo, no Felgar.

    Bom fim de semana

    Vidal

    ResponderEliminar